A queda do Muro de Berlim completa 30 anos em 2019, levantando questionamentos sobre as promessas da época de livre circulação e fim das fronteiras, em direção a uma “aldeia global”. Para debater como o mundo se encontra atualmente diante dessas propostas e os limites espaciais da atualidade, o UNICURITIBA realizou, entre os dias 22 e 25 de outubro de 2019, o I Congresso de Relações Internacionais no Mundo Atual (RIMA), sob o tema “(Geo)Políticas da Contenção e da Circulação”.

As conferências “Fronteiras, muros e contenção territorial” e “A dominação cercada portuguesa nos tempos da primeira globalização”, ministradas pelos professores Rogério Haesbaert (UFF) e Andréa Doré (UFPR), respectivamente, abriram o evento.

“Legado e perspectivas da integração da infraestrutura produtiva sul-americana com a experiência IIRSA/Unasul” e “A segurança no Atlântico Sul” foram abordados pelos professores Claudete Vitte (Unicamp) e Danilo Marcondes (ESG) no segundo dia.

Já no último dia, os professores Ramon Blanco (Unila/UFPR) e Carolina Moulin Aguiar (CEDEPLAR/UFMG) falaram sobre “A Construção da Paz no Cenário Internacional: Da Contenção da Periferia à Normalização dos Anormais” e “Vidas logísticas, fronteiras humanitárias: gerenciando populações no contexto das circulações Sul-Sul”.

Além das conferências, o congresso contou com a oficina OpPAZ UNICURITIBA – “Brazilians in Peacekeeping Operations: Challenges and personal experiences” e sete áreas temáticas para apresentações de grupos de trabalho: “Os muros (in)visíveis e a circulação: os diretos humanos sem fronteiras”; “Muros e fronteiras na história”; “Espaço, mobilidade, fronteiras: Conflitos, resiliências e resistências”; “Urbanidades: Aspectos simbólicos, manifestação cultural e elemento segregador”; “As novas fronteiras na contemporaneidade: Território, cultura e identidade”; “Teorias das Relações Internacionais na Contemporaneidade: Novos temas, debates e atores”; e “Os desafios à soberania e à democracia na Era Informacional”.

De acordo com o Prof. Gustavo Glodes Blum, organizador do evento e docente do Curso de Relações Internacionais, o Congresso RIMA teve muito sucesso naquilo que se propôs: tornar o UNICURITIBA, por três dias, a sede dos debates e discussões a respeito dos muros e fronteiras na atualidade.

“Esse feito não ocorreu apenas pela participação dos conferencistas, que trouxeram uma série de questões e debates inovadores a respeito do tema, mas na transversalidade das atividades. Em todas as filmografias, oficinas e apresentações de trabalho científico, a ênfase foi na construção de um debate que abarcasse diferentes visões a respeito de como as diferenças e oposições têm se tornado um ponto central do debate político internacional e nacional hoje em dia”, explica o Prof. Gustavo.

“Enquanto congresso científico, conseguimos reunir e congregar diversas pessoas que, a partir de diferentes pontos de vista, se engajaram no debate. Essa forma de trabalho reflete a própria natureza do Curso de Relações Internacionais, e as potencialidades que temos em construir uma maior consciência sobre os processos políticos que acontecem no mundo e possíveis formas de mudar nossa realidade. Foi muito bom ter essa experiência e a vivência de reunir pessoas de diferentes partes do Brasil e do Paraná para debater, a partir da perspectiva de Relações Internacionais, os problemas atuais do mundo”, conclui.