Aluno de Design de Animação ganha dois prêmios antes mesmo de se formar

  • Sua Jornada

Curso é focado em prática e permite que o estudante crie um portfólio durante a graduação facilitando o ingresso no mundo do trabalho 

O estudante Bruno Orsolon, de 20 anos, não tinha nem concluído o tecnólogo de Design de Animação, no Centro Universitário UniCuritiba, e já acumulava prêmios em seu portfólio. Ele se formou em fevereiro do ano passado, mas o trabalho que produziu em 2019, no início do curso, lhe rendeu um prêmio no Unicult, uma mostra de produção cultural da universidade. 

O trabalho premiado é o “RPGzão dos Brothers”, uma animação em 2D, que depois do Unicult, foi selecionado e premiado no Intercom Sul no mesmo ano, na categoria de ficção em vídeo. O evento reúne trabalhos de todas as instituições de ensino superior da Região Sul. 

No ano passado, outro trabalho de Orsolon, o de conclusão do curso, também ganhou destaque no universo das animações. Ele criou sozinho o “Astro Gato”, uma instalação artística acompanhada de um curta em animação com o tema nostalgia. A instalação funcionava em uma sala de estar antiga e o curta era exibido em fita VHS, com transmissão em TV de tubo. O vídeo mostrava as aventuras de um gato que fez um pacto com a morte para se tornar um astronauta.

Assim como no ano anterior, em 2020 o “Astro Gato” também foi selecionado e premiado no Intercom Sul, dessa vez na categoria de design gráfico. 

Curso é muito prático

Criado em 2016, o tecnólogo de Design de Animação do UniCuritiba é o primeiro do Brasil. Com duração de dois anos, divididos em quatro semestres, um dos diferenciais do curso é o trabalho por projetos. Em cada módulo semestral o estudante aprende uma técnica diferente de animação e faz um grande trabalho. 

No primeiro semestre do curso, no módulo A, os alunos aprendem as chamadas técnicas “tatílicas” de manipulação e encenação de fotografia, com o stop motion. No segundo semestre é a vez do 2D, o método tradicional utilizado para o desenho animado. Na sequência, os alunos têm acesso às técnicas do modelo 3D. Por fim, no último módulo, no quarto semestre, os estudantes encerram o curso com o que o UniCuritiba batizou de técnica “4D.”

Para Orsolon, o fato de o currículo do curso exigir a execução de grandes projetos a cada módulo foi um desafio, porém muito enriquecedor. “No começo, é um grande baque, principalmente porque você tem de fazer coisas que nunca fez. Mas daí você conhece pessoas com as mesmas preferências e já ganha experiência com os trabalhos. O bom é que dá para errar lá e aprender para não repetir o mesmo erro no mercado de trabalho.”

O designer sempre se interessou por desenho. Inspirado pelo irmão que o ensinava, ele gostava de quadrinhos, mas não tinha muita noção do que iria encontrar na faculdade. Ele lembra que, logo ao chegar ao UniCuritiba, se deparou com colegas que já sabiam trabalhar com vídeo e áudio, enquanto ele “só fazia ilustrações digitais.” 

“Aprendi por necessidade, mas já no primeiro semestre vi que tinha muito conteúdo interessante. Uma das matérias ensinava desenho com perspectiva e sombreamento, e tudo vai te ajudando a chegar ao PI (projeto integrador) do módulo. No último trabalho [o que originou o “Astro Gato”], tive de fazer um pouco de tudo.”

Rede de contatos

Além da experiência, outro grande legado do curso para Orsolon foi a rede de contatos criada, principalmente durante o Unicult. O evento reúne os trabalhos produzidos pelos alunos ao longo do ano e permite a conexão entre estudantes de diferentes cursos. 

Orsolon conta que finalizou o curso com um projeto pessoal na manga. É uma produção independente, o curta “I love you with all my brain”, uma animação que conta a história de uma menina que passa a vida perturbada com os conflitos entre cabeça e coração. 

“É um trabalho que está correndo em festivais de animação. O curso ajudou muito com contatos, conheci bastante gente no Unicult, e meu trabalho atual é fruto disso. Você cresce bastante dentro da faculdade, e aprende a lidar com as pessoas”, diz o designer, que hoje trabalha com motion graphics, técnica que cria ilusão de movimento ou rotação.